AO VIVO
Menu
Busca terça, 03 de agosto de 2021
Busca
São Luís
32ºmax
25ºmin
Correios Celular - Mobile
GERAL

Cerimônia do Ano Novo Judaico será transmitida pela primeira vez online

Celebração teve que se adaptar este ano à pandemia de covid-19

18 setembro 2020 - 13h35Por Martha Alves

A celebração do início do ano 5781 do calendário judaico teve que se adaptar este ano à pandemia de covid-19. Pela primeira vez no Brasil, as cerimônias de Rosh Hashaná (Ano Novo Judaico) e Yom Kipur (Dia do Perdão) serão exibidas ao vivo pela TV, internet e até em um cinema drive in.

O presidente executivo da Federação Israelita do Estado de São Paulo (Fisesp), Ricardo Berkinensztat, disse que as sinagogas, cada uma à sua maneira, se prepararam para que todos tenham a possibilidade de cumprir com os preceitos da festa.

“Daremos início ao ano 5781 de uma forma diferente, nos adaptando aos novos tempos. Temos a certeza que nossas orações serão ouvidas para que todos tenhamos um ano melhor, livre da pandemia e com mais espiritualidade”, afirmou.

Cerimônias

Este ano, algumas sinagogas vão fazer as cerimônias presenciais com número reduzido de pessoas e seguindo todos os protocolos de segurança exigidos pelas autoridades sanitárias. Enquanto outras, farão a transmissão 100% online e sem público.

A inovação para a comunidade judaica será na finalização das rezas do Yom Kipur, que acontece dez dias depois do Ano Novo. O Centro Cultural Social Bmei Chalutzim, em Alphaville, fará a celebração em um cinema drive in. As famílias poderão acompanhar as rezas feitas por um cantor litúrgico e um coral dentro dos próprios carros.

Transmissão ao vivo

A Congregação Israelita Paulista (CIP) fará a transmissão das rezas do Ano Novo Judaico e do Dia do Perdão pela TV Aberta, pelos canais 9 da Net e 8 da Vivo, e simultaneamente pelo próprio site www.cip.org.br/aovivo.

O rabino Michel Schlesinger disse que a transmissão das rezas pela TV e internet é comum para as outras religiões, mas no judaísmo é realmente inédito. Segundo ele, se  uma única pessoa contraísse o vírus na sinagoga, as grandes festas teriam sido um fracasso.

“O Pikuach Nefesh, a obrigação de preservar vidas humanas é a nossa prioridade. Por esse motivo, em 2020, estaremos com nossos congregantes pela internet e pela televisão”, disse.

*Atualizada às 13h35